sábado, 25 de abril de 2015

terça-feira, 10 de junho de 2014

Pediatria do Desenvolvimento - o que é?

A Pediatria do Desenvolvimento ou Pediatria do Neurodesenvolvimento é um ramo da pediatria que se dedica à avaliação e vigilância do desenvolvimento das crianças no sentido de prevenir ou diagnosticar as suas perturbações, de investigar as suas causas e de estabelecer planos de intervenção.




A palavra Neurodesenvolvimento tem ganho maior destaque no nosso país pela relação do desenvolvimento psicomotor com a integridade e o funcionamento do sistema nervoso. O desenvolvimento psicomotor inclui as competências de motricidade global (também designada por motricidade "grosseira" por tradução do inglês), da manipulação, desenho e escrita (motricidade fina), da perceção visual e visuo-espacial, da linguagem (compreensão e expressão verbal, articulação da fala), da comunicação e interação social (relacionamento com os outros), afetos e emoções e regulação do comportamento. Está relacionado com a aprendizagem e o sucesso escolar, incluindo as competências da leitura e escrita, cálculo, entre outras.

O termo Neurodesenvolvimento pretende também distinguir os problemas de desenvolvimento estritamente "somático", quer dizer, relacionados atrasos no crescimento e baixa estatura. Estes problemas devem ser avaliados e investigados na consultas de Pediatria Geral e de Endocrinologia Pediátrica.

As perturbações do desenvolvimento incluem:
- doenças neuromotoras como a paralisia cerebral;
- as perturbações da comunicação, como os atrasos e perturbações da linguagem;
- as perturbações do espectro do autismo (incluindo o antigo Síndroma de Asperger);
- as perturbações comportamentais como a perturbação de hiperatividade e défice de atenção;
- as perturbações específicas da aprendizagem da leitura e escrita (como a Dislexia);
entre outras.

Algumas estão relacionadas com défices sensoriais como a surdez, com doenças genéticas (como o Síndroma de Down ou Síndroma de X-Frágil), com a grande prematuridade (bebés prematuros) ou com infeções e lesões do sistema nervosos central. Muitas não tem causa identificada.

Em Portugal, os pediatras do desenvolvimento estão associados na Sociedade de Pediatria do Neurodesenvolvimento, criada em 1987, o objectivo de congregar diversos profissionais implicados no desenvolvimento infantil, numa perspectiva transdisciplinar.

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Lançamento do livro "Hiperatividade e Défice de Atenção"


Data: 11 de Junho

Horário: 18h30m

Local: Restaurante, Piso 7, El Corte Inglés, Lisboa


 
Sinopse
A Perturbação de Hiperactividade e Défice de Atenção (PHDA) atinge 5 a 8% das crianças em idade escolar. Em Portugal estima-se que existam mais de 80.000 casos.
Na sala de aula não param quietas, tiram o lápis ao colega, levantam-se porque lhes falta a borracha, outras estão sossegadas mas “na lua”. Em casa, enquanto fazem os trabalhos levantam-se a cada cinco minutos, são desobedientes e esgotam os pais. Acreditem que estas dificuldades comportamentais não se devem a falta de educação. Insucesso escolar e dificuldades de relacionamento com colegas, professores e pais são problemas comuns. Mas para as crianças com PHDA há um antes e um depois, se forem bem acompanhadas.
Como equipa de pediatria, temos consciência do impacto social da PHDA, da enorme pressão que as crianças e famílias sofrem.
Este livro dá uma visão abrangente desta perturbação e contém estratégias práticas, úteis para o quotidiano de todos os envolvidos. As crianças são o futuro da sociedade e as crianças com PHDA podem tornar-se adultos bem-sucedidos.

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Alerta: o uso de iPad/Tablets pode prejudicar o desenvolvimento da linguagem



Esta não é propriamente uma novidade surpreendente. Na verdade, intuitivamente, já todos suspeitávamos de que o uso frequente ou prolongado destes sistemas tinha potencial para afetar negativamente algumas áreas do desenvolvimento. Afinal, o tempo que estas crianças dedicam a esta atividade deixa de ser utilizado para desenvolver outras capacidades, nomeadamente, a socialização, a motricidade, a comunicação e a linguagem, associadas ao jogo livre, simbólico ("faz de conta") e criativo com sujeitos e objetos reais (não virtuais). 
Ora, o que há de novo, então?

A Dra. Ruth Milanaik, pediatra do desenvolvimento no Cohen Children's Medical Center, em Nova Iorque, decidiu estudar os efeitos do uso dos iPads e Smartphones no desenvolvimento das competências das crianças desde uma tenra idade. Decidiu fazê-lo porque verificou que imensos pais davam os seus iPads aos filhos para que eles se mantivessem ocupados e não interrompessem tanto durante o tempo de consulta.

Esta investigação foi, então, levada a cabo com 65 famílias. Os resultados revelaram que a idade de início de utilização destes sistemas (Ipads e Smartphones) era de 11 meses, em média. Sessenta por cento dos pais consideravam existir "benefícios educativos" nesta atividade. Ora, o estudo mostrou não haver diferenças significativas entre as crianças que usavam e as que não usavam estes sistemas como passatempo. Mais: os resultados indicaram que as crianças que jogavam jogos não educativos (ou seja, Angry Birds, Fruit Ninja, etc) tinham uma pontuação mais baixa nos testes de desenvolvimento da linguagem.

Não é difícil de perceber que, em idades tão baixas, quando o cérebro ainda está numa fase precoce de maturação, passar tanto tempo em frente de um ecrã não é natural... e reduz as oportunidades de estimular a comunicação e a interação social.

Teremos ainda de percorrer um longo caminho para perceber como podemos usar as novas tecnologias de forma saudável. 

Segundo a Dra. Milanaik, "a tecnologia nunca pode substituir a interação dos pais com os seus filhos. Conversar é a melhor maneira de estimular a aprendizagem".

Pode obter mais informações do estudo neste link (em inglês):


Cláudia Rocha Silva
Filipe Glória Silva

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Sobre os hábitos e os problemas do sono das crianças portuguesas

Foram recentemente publicados na Acta Pediátrica Portuguesa os resultados do Estudo dos Hábitos e Problemas do Sono dos 2 aos 10 anos, mostrando que a privação de sono e os sintomas das perturbações do sono são frequentes em Portugal.

A privação do sono adequado tem sido associada a efeitos negativos em diversos domínios, tais como o desempenho cognitivo e académico, a regulação emocional e do comportamento, o risco de quedas acidentais e de obesidade. Por sua vez, as perturbações do sono das crianças podem ter ainda repercussão na quantidade e da qualidade dos pais, afetando o seu bem estar e desempenho nas tarefas do dia a dia.

Por este motivo, é necessário continuar a investir na promoção da saúde nesta área.

RESUMO

Introdução: Embora seja cada vez mais reconhecida a importância do sono na criança, existem poucos dados recentes sobre esta matéria em Portugal, com amostras representativas e questionários validados.
Objetivos: Os objetivos deste estudo foram avaliar os hábitos e problemas do sono em crianças dos dois aos dez anos e estabelecer dados de referência para a versão portuguesa do Children’s Sleep Habits Questionnaire (CSHQ-PT).
Métodos: Trata-se de um estudo populacional, transversal. O CSHQ-PT foi entregue aos pais de 2257 crianças recrutadas em creches, jardins de infância e escolas das áreas da Grande Lisboa, Península de Setúbal e Alentejo, regiões onde reside um terço das crianças portuguesas de dois a dez anos.
Resultados: Foram incluídos no estudo os questionários relativos a 1450 crianças. A idade média das crianças foi 6,5 (desvio padrão 2,3) anos. A prevalência de problemas do sono referidos pelos pais foi de 10,4%, sem diferenças significativas entre subgrupos de nível educacional dos pais nem entre zonas de média-alta e baixa densidade populacional. Estes problemas do sono mostram-se associados sobretudo à duração do sono, resistência em ir para a cama, ansiedade associada ao sono, despertares noturnos e parassónias. A baixa prevalência de problemas do sono identificados pelos pais contrasta com cotações elevadas no CSHQ-PT que traduzem comportamentos-problema mais frequentes. Considerando valores de referência de outros países, verificou-se que 10% das crianças tinham uma duração do sono dois desvios-padrão abaixo da média. A menor duração do sono mostrou associação com a sonolência diurna.
Conclusão: Os problemas comportamentais do sono e a privação de sono são prevalentes em Portugal, pelo que existem oportunidades de intervenção nesta área.
Outros links

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

PDF: validação da versão Portuguesa do Children's Sleep Habits Questionnaire

Questionário de Hábitos de Sono das Crianças em Português - validação e
comparação transcultural

O estudo de validação da versão portuguesa do Children’s Sleep Habits Questionnaire (CSHQ-PT) está acessível online.

O questionário mostrou uma consistência interna do CSHQ-PT (alfa de Cronbach) de 0,78 para a escala completa e entre 0,44 e 0,74 para as subescalas. A fiabilidade por teste-reteste das subescalas variou entre 0,59 e 0,85. A análise fatorial extraiu 5 fatores com correspondência às subescalas originais.

Deste modo, o CSHQ-PT apresentou propriedades psicométricas comparáveis às versões de outros países e adequadas para o estudos dos hábitos de sono das crianças dos 2 aos 10 anos.

Pode aceder ao questionário aqui.

Filipe Glória Silva
Currículo Linkedin     Email: fs.sono@gmail.com     

Article: Portuguese Children’s Sleep Habits Questionnaire - validation and cross-cultural comparison

Silva FG, Silva CR, Braga LB, Neto AS. Portuguese Children’s Sleep Habits Questionnaire - validation and
cross-cultural comparison. J Pediatr (Rio J). 2013 Oct 22  [Epub ahead of print]

The Portuguese version of the Children’s Sleep Habits Questionnaire (CSHQ-PT) validation study is now published.

The CSHQ-PT internal consistency (Cronbach’s alpha) was 0.78 for the total scale and ranged from 0.44 to 0.74 for subscales. The test-retest reliability for subscales (Pearson’s correlations ranged from 0.59 to 0.85.

Our data did not adjust to the original 8 domains structure in Confirmatory Factor Analysis but the Exploratory Factor Analysis extracted 5 factors that have correspondence to CSHQ subscales.

Likewise, the CSHQ-PT evidenced psychometric properties that are adequate for the evaluation of the sleep habits and sleep disturbances in children from 2 to 10 years old.



Filipe Silva
Linkedin Profile        Email: fs.sono@gmail.com 

Questionário de Hábitos de Sono das Crianças em Português - validação e
comparação transcultural